Com a Reforma Tributária, o que muda para as micro e pequenas empresas?

Com a Reforma Tributária, o que muda para as micro e pequenas empresas?

Após a implantação da Reforma Tributária, que foi promulgada nesta quarta-feira, 20, pelo Congresso Nacional, o microempreendedor individual (MEI) e as micro e pequenas empresas poderão continuar inseridos no regime do Simples Nacional.

A reforma prevê a unificação de cinco impostos: três federais (PIS, Cofins, IPI) um estadual (ICMS) e um municipal (ISS). Os federais estarão reunidos na Contribuição de Bens e Serviços (CBS) e os outros dois estarão reunidos no Imposto sobre Bens e Serviços (IBS).

Ambos serão absorvidos pelo Simples. Em alguns casos, porém, pode valer a pena pagar o IBS e o CBS separadamente e não na guia do Simples. Veja abaixo:

Como é hoje
Os micro e pequenos empresários fazem o pagamento dos impostos em apenas uma guia. O Simples calcula um único percentual sobre o faturamento ao invés de pagar uma alíquota para cada tributo.

Como será
A empresa que está no Simples pode continuar a pagar a guia como hoje, sem qualquer mudança.

No entanto, pelo texto da reforma, as micro e pequenas empresas também vão poder excluir o IBS e CBS da cesta de impostos pagos no Simples. A medida será opcional e tem como objetivo fazer com que a empresa possa aproveitar a regra de cumulatividade criada com a reforma.

Leia mais:

Texto final da Reforma Tributária é aprovado na câmara – Sindijore RS

Fonte: FolhaPe